NOTÍCIAS

Notícias

04/10/17 19:54

EducarMais: A musicalização como recurso para efetiva aprendizagem

A musicalização contribui para a interação social e facilita a aquisição das linguagens oral e escrita e o desenvolvimento do raciocínio lógico.

Sabemos que quanto mais buscamos meios diferenciados para ensinar, mais podemos contribuir com o aprendizado de maneira efetiva. Nesse sentido, a musicalização infantil torna-se um dos instrumentos responsáveis para a fixação dos conhecimentos por parte da criança.

Há uma infinidade de trabalhos científicos referentes à utilização da musicalização infantil apontando o desenvolvimento dos alunos dos anos iniciais em relação à escrita e ao raciocínio. Professores comprometidos com a Educação, em sua essência, têm buscado auxiliar alunos de todos os segmentos de ensino utilizando músicas, que, além de ser algo prazeroso para eles, permite maior assimilação daquilo que é aprendido.

Quando acompanhamos a mudança na produção escrita das crianças envolvidas em projetos musicais, observamos que existem pontos de contato entre este trabalho e a hipótese de que a aquisição da língua se dá pela audição – desde que sejam ouvintes – e de que a musicalização é um forte instrumento para tal discussão.

Atividades musicalizadas, inicialmente, enfatizam mais o desenvolvimento auditivo e a percepção dos sons, sendo que esse “treino auditivo” requer mais atenção dos alunos em relação aos sons que ouvem.

Considerando que muitas crianças, durante o processo de alfabetização, apresentam dificuldades para a identificação de certas letras, observamos que o trabalho lúdico de musicalização estimula a sonoridade das palavras, levando o aprendiz a fazer relações entre fonema e grafema.

Atividades que estimulam o domínio da linguagem falada e da percepção auditiva, como o incentivo de recitação de parlendas, orientando que as crianças reproduzam o ritmo com palmas e repetição de palavras e fazendo com que percebam os modos de reprodução e a memória dos sons, os sentidos e a rítmica, tornam possível a aprendizagem mais significativa para os alunos. Tais atividades musicalizadas permitem às crianças sentirem-se mais à vontade para se expressarem.

A escuta de sons do ambiente, a contação de histórias de compositores, a criação de histórias com objetos musicais ou não, tudo isso, intermediado pelo professor, incentiva a comunicação e a troca de saberes entre os alunos, que, desta maneira, aprendem e ampliam o seu vocabulário. Exemplos de atividades como estas demonstram que música e língua se configuram como práticas que se tocam o tempo todo.

Tanto Lev Semenovitch Vygotsky (1896-1934), pensador bielorrusso, quanto Jean William Fritz Piaget (1896-1980), pensador suíço, afirmam que a interação social é de fundamental importância para o desenvolvimento do ser humano. Os resultados de trabalhos com a música desde a infância nos levam a constatar que ela funciona como um lugar de interação social fundamental para o processo de alfabetização. A musicalização significa uma troca de experiências capaz de produzir maior sensibilidade auditiva, fator importantíssimo para a aquisição da linguagem (a fala, a escrita, entre outras).

Mesmo que em muitos estudos seja comprovado que a musicalização infantil é de grande valia para o aprendizado, muitas escolas ainda não fazem uso deste recurso ou, se o fazem, realizam de maneira superficial, apenas cantando músicas do repertório infantil. Provavelmente, não dão ênfase para tal, talvez não por negligência, mas por falta de conhecimento, já que os cursos de Pedagogia, em sua maioria, não dão aos estudantes e futuros professores aulas de Metodologia da Musicalização Infantil.

Existem algumas iniciativas bem-sucedidas de trabalhos com a música em sala de aula, porém meios para se alcançar os objetivos com a música e capacitações aos educadores não são disponibilizados com frequência em muitas escolas, fazendo com que os recursos musicais sejam dispensáveis, o que os torna somente uma atividade a mais, e não parte da estrutura curricular.

Não podemos deixar de destacar que mesmo o professor que não toca nenhum instrumento musical pode aprender o básico sobre música para fazer proveito de tão valioso meio a fim de enriquecer suas aulas. Dessa forma, ele contribui para a interatividade entre os alunos, bem como para o desenvolvimento da fala, da escrita e do raciocínio lógico, além de fortalecer as relações sociais, pois nelas o educando recebe motivação para aprender.

Fonte: Revista EducarMais